NOTÍCIAS

Moradores buscam soluções para prédio com risco de desabar em SP


quinta-feira, 24 de outubro de 2019

First slide

Moradores do edifício foram evacuados e prédio interditado pela Defesa Civil em agosto. Outro prédio vem apresentando os mesmos problemas. Construção de novo prédio em terreno vizinho seria a causa.


A construção de um prédio na Vila Caiçara, em Praia Grande, no litoral de São Paulo, obrigou moradores do edifício vizinho a evacuar o prédio após ser constatado um deslocamento de oito centímetros no edifício por conta das obras. Dois meses depois, os moradores continuam sem previsão de resolução do problema por parte da construtora responsável.


A interdição expedida pela Defesa Civil obrigou os moradores a evacuarem em agosto o Edifício Nova Jersey, na avenida Juscelino Kubitschek, por conta das rachaduras apresentadas e da constatação de um deslocamento de oito centímetros que o prédio sofreu.


Segundo apurado pelo G1, em junho deste ano, uma obra que pretende levantar um novo prédio começou no terreno ao lado do edifício Nova Jersey, com aval da Prefeitura. Alguns meses depois, em junho, rachaduras começaram a aparecer no teto e nas paredes dos apartamentos do Nova Jersey e foi relatado também estufamento no piso em alguns apartamentos. Foram feitas denúncias à Defesa Civil.


Após vistorias, foi constatado que o edifício Nova Jersey havia movido oito centímetros para a direita, devido à obra de grande porte realizada ao lado. Em agosto, o prédio foi interditado e os moradores tiveram que ser evacuados para apartamentos cedidos pela construtora responsável pelas obras do novo prédio.


Hoje, o Edifício Nova Jersey se apoia em dezenas de vigas de sustentação paralela e os moradores ainda não têm previsão de quando ou como o problema será resolvido. Do outro lado da construção, no Edifício Buenos Aires, a médica Mayara Rocha, relata que rachaduras estão surgindo e avançando rapidamente pelos apartamentos do prédio.


First slide
Edifício vizinho à construção de novo prédio apresenta rachaduras em Praia Grande — Foto: Mayara Rocha

"Em junho, não havia nada. Um mês depois, a parte externa já apresentava alguns problemas, como chão solto", relata Mayara. "No dia 12 de outubro, fiquei extremamente assustada. A escada interna está soltando da parede e, em uma das entradas, uma escada de quatro lances cedeu."


Segundo a moradora, o edifício Buenos Aires, que ainda é habitado, está cedendo para o lado. "Nós sentimos que o prédio está tombando para o lado da construção e ninguém faz nada. Do lado de fora eu consigo ver minha a sala, através das rachaduras".


Em relação ao Edifício Nova Jersey, a Construtora JM responsável pelas obras informa em nota que está dando a devida atenção aos danos causados no edifício ocorridos em virtude da construção de um novo empreendimento e que todas as medidas necessárias estão sendo tomadas.


Contam ainda que já houve a contratação de empresa especializada para elaboração de laudo de reforço estrutural. A Construtora JM pediu, ainda, a compreensão dos moradores, visto que a análise e reparos a serem feitos no edifício e suas unidades autônomas não dependem exclusivamente dela.


Até o fechamento desta matéria, a Construtora JM não havia se manifestado acerca da situação estrutural do Edifício Buenos Aires.


First slide
Rachadura no piso do Edifício Buenos Aires, em Praia Grande — Foto: Mayara Rocha

Fonte: https://g1.globo.com


AVISO:

O conteúdo exibido nesta seção é gratuito, e apresenta caráter meramente informativo. A CONASI não se responsabiliza pelo conteúdo, nem pelas decisões baseadas nas opiniões e recomendações contidas nesta seção. Assim, a CONASI se exime de qualquer responsabilidade pelos eventuais danos ou prejuízos, de qualquer natureza, que possam decorrer da utilização deste conteúdo, por qualquer meio ou processo, e para quaisquer fins. Em caso de dúvidas, é indispensável a consulta a um advogado ou especialista.