ARTIGOS

Quando o assunto é o dinheiro do condomínio, todo cuidado é pouco


Quando o assunto é o dinheiro do condomínio, todo cuidado é pouco. O ideal é que a convenção do condomínio estipule um limite de gastos e também, com o que se pode gastar essa verba. O importante é lembrar que existem regras e que qualquer gasto deverá ser apresentado e aprovado em assembleia. Nesse momento, é importante ter documentos que ajudem na comprovação dos gastos, como orçamentos e notas fiscais.


Cortar gastos no condomínio vai resultar em uma taxa condominial mais baixa, então o síndico pode tomar atitudes conscientes que beneficiem a todos, e os próprios moradores também podem sugerir mudanças, como:


– Água e piscinas


Despesas com água podem chegar a 15% do gasto do condomínio. Por isso, é fundamental que o síndico fique atento a qualquer vazamento que possa ocorrer. Vassouras e panos devem substituir o uso da mangueira na hora de limpar áreas comuns e calçadas. Além disso, nem toda área comum precisa de limpeza diária.


– Iluminação


Instalar sensores de presença nas áreas comuns e substituir as lâmpadas atuais por modelos mais econômicos, além de verificar se as luzes das áreas comuns estão desligadas após o horário de encerramento das atividades também é importante.


– Folha de pagamento


Salários, férias, folgas, horas extras, 13º salário, INSS, FGTS, PIS, vale transporte e dissídio anual podem representar até 65% dos custos do condomínio. Por isso, o síndico deve otimizar as funções dos colaboradores, mas sem provocar acúmulo de função ou gasto com horas extra.


– Manutenção de equipamentos


Fazer manutenção correta de todos os equipamentos do prédio evita gastos desnecessários com conserto. Condomínios mais antigos precisam ficar ainda mais atentos nesse aspecto, uma vez que todos esses equipamentos têm um tempo de uso: mais cedo ou mais tarde eles precisarão ser substituídos, e substituir peças e rever os contratos de manutenção são bons caminhos para reduzir custos nessa área.


– Combater a inadimplência


Quando um condômino não paga a taxa de condomínio, os demais condôminos terão que preencher essa lacuna, ou seja, quando há um problema grave de inadimplência em um condomínio, a taxa precisará subir para os que estão com as contas em dia. Por isso, é fundamental que a inadimplência seja combatida para conseguir diminuir a taxa condominial, desse modo, não haverá buracos na prestação de contas do condomínio.



Edilson Dantas

Administrador de Empresas, atuando no mercado condominial condominial há mais de 10 anos